Incensos podem ter milhares de combinações de ingredientes em sua fabricação

Incensos são formas de se trazer harmonia, pureza, leveza e espiritualidade para os ambientes que são utilizados há muitos anos. Existem referências à queima dos incensos e seu complexo poder espiritual até mesmo na Bíblia! Entretanto, daquele tempo até hoje, surgiram e ainda surgem centenas de novas receitas e formas de se produzir incensos. Neste texto, você irá aprender sobre alguns dos componentes do incenso que, além das ervas, também ajudam a produzir o aroma agradável que você sente ao queimá-los!

A Fabricação de Incensos

Os incensos têm a mesma “lógica” de funcionamento que têm há séculos: folhas, ervas e madeiras aromáticas são misturadas e queimadas para a produção de aromas agradáveis específicos. Mas o método de fabricação desses artefatos mudou bastante desde os tempos antigos. Em alguns lugares, ele permanece artesanal, porém com mais técnicas de montagem e produção. Nos locais com produtos menos elaborados, em que a produção precisa ser altíssima, utilizam-se verdadeiras linhas industriais para todo o manuseio dos incensos, o que diminui a qualidade, mas permite que milhões de varetas possam ser fabricadas todos os dias.

Os Ingredientes dos Incensos

A finalidade do incenso é ter um aroma agradável, certo? Por isso, ele é feito com ervas aromáticas que são trituradas, misturadas e processadas para atingir o odor desejado com a queima. Detalhe: nos processos de preparação do incenso, nenhum método de manuseio pode envolver calor, como moagem elétrica ou à diesel, por exemplo. A temperatura pode fazer com que as ervas liberem o seu aroma antes da hora.

Mas as ervas precisam, de alguma forma, serem coladas à vareta de bambu dos incensos, e precisam também ser conservadas em um bom estado até o momento de sua queima. E além disso, os compostos que serão responsáveis por estas funções também precisam ter um aroma agradável, pois serão queimados junto à mistura. Além de sua função prática, os elementos agregadores do incenso também precisam ter algum significado transcendental.

Resinas Aromáticas

Estoraque: o Estoraque é uma resina aromática que é extraída de uma árvore, e pode também ser obtida através da mirra. Suas características são de conservação e de um bom odor, e por isso, seu princípio ativo era usado inclusive como balsâmico para sepultar as pessoas.

Além de seu princípio ativo prático, o Estoraque carrega como significado o sentido de “gotas”. Pode ser comparado ao gotejar da palavra sagrada ou ao gotejar do espírito em nossas vidas, e aparece em diversas passagens bíblicas.

Gálbano: esta também é uma resina aromática que pode ser usada como aglutinante para os incensos. Ela é extraída de um arbusto chamado Férula, que remete ao rigor e à disciplina, uma vez que sua madeira já foi utilizada como chicote. Para ser adicionada a fórmula do incenso, a resina do Gálbano precisa ser triturada.

Sal: o sal é utilizado em pequena proporção nas fórmulas dos incensos para garantir que eles fiquem bem conservados, e até mesmo ele possui significado: dar tempero e gosto aos aromas.

Gostou deste texto? Permaneça em nosso blog e saiba muito mais sobre os incensos.