A resina natural chamada de Copal, ou ainda o “pom”, é uma substância fossilizada, com usos na aromaterapia e em outras atividades. No mundo dos incensos, ela é utilizada para a purificação de ambientes e pessoas.

Vamos apresentar a natureza, um pouco da história e os principais usos do Copal na antiguidade e nos tempos contemporâneos.

Se a imagem do Copal não é familiar para você, saiba que esta resina lembra vagamente o âmbar, uma outra resina fossilizada. Na verdade as duas possuem uma origem muito parecida!

As duas são fósseis de árvores como ciprestes e pinheiros de regiões quentes. No entanto, o âmbar é mais antigo e mais valioso do que o Copal, e possui um aroma também diferente.

Por suas características fossilizadas, ambas tem importantíssimas informações arqueológicas ou até mesmo genéticas que podem auxiliar cientistas a entender melhor sobre as árvores e o mundo da época em que estes compostos foram formados.

Reza a lenda Popol-Vuh, que o Copal foi entregue de presente aos homens por uma antiga deusa civilizadora. A resina teria sido extraída diretamente da árvore da vida pela divindade e entregue aos povos Maias quichés.

De acordo com a crença, eles utilizavam a resina Copal em todas as suas cerimônias religiosas para que o composto pudesse afugentar todos os maus espíritos.

Assim como há em algumas tradições religiosas uma forte relação entre o incenso e o céu, o Copal se relaciona diretamente com a lua, tanto pela sua coloração, como pela sua beleza. Ele se apresenta tanto em coloração mais esbranquiçada, como mais amarelada, e estas cores dependem da idade da amostra e dos compostos que foram responsáveis por formar aquela resina fossilizada.

Porém, o incenso está mais ligado a religiões cristãs ou até mesmo asiáticas, enquanto o Copal era muito mais presente e utilizado pelos povos antigos do continente americano como Maias, Quichés, Astecas e outros.

Usos do Copal

Ainda nos dias de hoje, há cerimônias em que o Copal é sagrado e queimado exatamente à meia-noite do último dia da estação das secas, para que os espíritos mandem mais rápido as primeiras chuvas e assim aumentem a produção de alimentos dos povos nativos.

Para utilizar o copal em sua forma bruta, basta fazer a queima da resina junto a carvão mineral. Em poucos minutos o agradável e marcante cheiro do composto fóssil irá se espalhar pelo seu ambiente, deixando uma fragrância duradoura e revigorante, para purificar e se livrar dos maus espíritos.

O Copal também pode ser consumido em forma de incenso junto a outras ervas e resinas, garantindo um aroma completamente único.

Seu cheiro é doce, e a queima facilita a comunicação com os deuses e a paz espiritual e mental. Você precisa experimentar todas estas sensações!